Cinturão de Asteróides

Explicamos o que é o cinturão de asteróides, onde está localizado e como se originou. Além disso, quais são suas características e importância.

O cinturão de asteróides está localizado entre os planetas Marte e Júpiter.

Qual é o cinturão de asteróides?

O cinturão de asteróides é feito de rochas (também chamadas de asteróides ou planetas menores) que giram em torno do sol .

É chamado assim porque se parece com uma espécie de cinturão que se encontra entre os planetas de Marte e Júpiter . É fácil de distinguir, pois separa os planetas considerados pequenos dos planetas gigantes que se encontram após o referido cinturão.

Ou seja, constitui uma barreira entre os planetas considerados rochosos, interiores ou telúricos e os gigantes gasosos.

A diversidade de tamanho dos asteróides é variada, alguns alcançando apenas alguns quilômetros, enquanto outros são muito maiores.

O maior asteróide encontrado no cinturão de asteróides é conhecido como Ceres e tem 952,4 km de diâmetro . Este asteróide é considerado o único planeta anão desta região.

Veja também: Via Láctea

Hipótese de sua formação

Alguns pensam que o cinturão é um planeta que não foi capaz de se formar.

Existem duas teorias sobre as razões pelas quais este cinturão de asteróides se formou: alguns cientistas acreditam que pode ser os restos de um planeta que orbita, enquanto outros acreditam que pode ser um planeta que não foi capaz de se formar em consequência de a força gravitacional de seu vizinho, Júpiter .

Início do estudo sobre o cinturão de asteróides

Em 1801, Giussepe Piazzi descobriu o planeta anão que chamou de Ceres . Com essa descoberta, começou o estudo do que mais tarde foi chamado de cinturão de asteróides.

Origem do cinturão de asteróides

Os asteróides foram alterados pela atração gravitacional de Júpiter.

No início, o Sistema Solar era uma nebulosa primitiva composta de gás e poeira . Este colapsou e formou um disco que começou a girar. No local onde o Sol se formou, a densidade era maior e eles se consolidaram mais rapidamente.

Nas áreas mais distantes desse centro, formaram-se pequenos grãos ou rochas que, com o tempo, se agruparam para formar planetas. Muitos deles não conseguiram se juntar por colisão ou acréscimo e foram deixados como asteróides isolados.

No local onde o cinturão de asteróides está localizado atualmente, havia muitos asteróides (também chamados de planetesimais). Estes foram alterados pela força gravitacional de Júpiter e, em vez de formar um planeta e se unir, eles se dispersaram.

Acredita-se que o maior número de asteróides foi ejetado do Sistema Solar e apenas 0,1% permaneceram, o que constitui o atual cinturão de asteróides. O resto pode ser parte do cinturão de Oort na borda do sistema solar.

Evolução do cinturão de asteróides

Embora seja verdade que, originalmente, os asteróides estavam em alta temperatura , após milhões de anos eles foram mudando devido a vários fatores:

  • Erosão espacial
  • Radiação
  • Vento solar
  • Derretimento da superfície do meteorito devido aos impactos
  • Bombardeio de micrometeoritos

Forma de asteróide

As rochas ou metais aglomerados que o compõem podem ter formas diferentes.

Os asteróides não têm uma forma definida porque são rochas ou metais aglomerados. Por esse motivo, os asteróides podem ter formas muito irregulares, como um osso, amendoim ou batata.

Órbita dos asteróides

Alguns chegam a orbitar dois asteróides e os maiores, como é o caso de Ceres, até têm seu próprio satélite (um asteróide menor que orbita ao redor deles).

Número de asteróides na cintura

Existem cerca de 18.000 asteróides com nomes.

Estima-se que existam cerca de 960.000 asteróides orbitando este cinturão e alguns até têm seus próprios satélites .

Cerca de 18.000 têm nomes e 95.000 são identificados por números.

No entanto, o número é constantemente excedido, pois novos asteróides estão sempre presos neste cinturão.

Composição do cinturão de asteróides

Os materiais que compõem esse cinturão são minerais rochosos, ou seja, rochas . Mas também há a presença de outros minerais como o níquel ou o ferro.

Além disso, pouco menos de 50% dos asteróides têm compostos de silício , embora os minerais mencionados predominem.

Em relação à quantidade de ferro , acredita-se que haja muito mais ferro neste cinturão do que o utilizado pelo homem desde sua descoberta até os dias atuais.

Por outro lado, existem alguns asteróides que têm água congelada (gelo) e, em menor grau, alguns asteróides têm cobalto e platina.

Colisão de asteróide

As colisões de asteróides podem fazer com que atinjam a Terra como meteoritos.

Como há um grande número de asteróides, as colisões entre eles são frequentes . No entanto, existem áreas chamadas lagoas ; isto é, áreas onde nenhum asteróide gira devido à influência gravitacional de Júpiter.

A colisão de asteróides pode fazer com que um ou ambos saiam desta órbita em direção à Terra e formem meteoritos que freqüentemente entram na atmosfera terrestre .

Exploração e importância do cinturão de asteróides

O primeiro navio que passou pelo cinturão de asteróides foi o Pioneer 10 em 16 de julho de 1972. Quando o navio conseguiu cruzar o cinturão, ainda não sabia se um asteróide poderia atingir o navio.

No entanto, essa hipótese foi descartada e posteriormente sucedida por vários navios de exploração: Pioneer 11 , Voyage 1 e 2 e Ulysses .

Os cinturões de asteróides têm muitos materiais que podem ser explorados e já foram feitas pesquisas sobre os custos de extração de metais e água congelada.

Leave a Reply