Poder judicial

Explicamos o que é o Judiciário, quem o compõe e como é sua estrutura. Além disso, quais são seus recursos e funções.

O judiciário representa a autoridade máxima em questões legais ou jurídicas.

O que é o Judiciário?

O judiciário é o poder público encarregado de fazer cumprir a lei . É a ala do Estado que se dedica a estudar, interpretar e exercer a lei . Ele aplica seus princípios a todos os tipos de conflitos ou situações que o exijam.

O Judiciário representa a autoridade máxima em matéria jurídica ou jurídica , ou seja, é a decisão final sobre a interpretação e aplicação das leis da nação. Para isso conta com diversos órgãos jurisdicionais.

Cada tribunal é dedicado a um aspecto específico da lei . Neles, juízes especialmente treinados nos diferentes ramos do direito tomam decisões em nome do Estado. As bases de suas ações são os textos constitucionais (códigos criminais e civis, etc.) e os tratados de justiça internacional (como os direitos humanos ).

O poder judiciário é distinto do poder legislativo e do poder executivo , aos quais serve de contrapeso. Na verdade, pode anular atos dos demais poderes, considerando-os contrários ao espírito de justiça.

Veja também: Poder constitucional

Quem compõe o judiciário?

O judiciário é responsável pela justiça criminal.

O poder judicial é composto pelo conjunto total de juízes, tribunais e advogados .

Todos eles trabalham na resolução de acordo com as leis dos conflitos que derivam do funcionamento da República .

Por um lado, atuam em níveis elementares, como a justiça criminal , que tem a ver com crimes.

Mas também em níveis complexos, como a justiça constitucional, que garante o cumprimento da constituição por outros poderes públicos e privados.

Como o Judiciário é composto?

A composição exata dos diferentes poderes judiciários do mundo depende em grande medida do modelo assumido em sua constituição . Em um nível geral, geralmente são constituídos por tribunais ou tribunais, ou seja, corpos de juízes e acadêmicos de direito que se dedicam a uma área específica de atuação.

Esses acadêmicos são geralmente organizados em tribunais especializados em questões constitucionais , eleitorais e administrativas. Além disso, existem outros tribunais que são necessários para tratar de todos os aspectos de seu funcionamento.

Estrutura do Judiciário

O Supremo Tribunal é a autoridade máxima em questões jurídicas.

O Judiciário está estruturado em uma série de instâncias ou tribunais . cada um deles constitui um degrau de uma pirâmide: os superiores têm mais autoridade do que os inferiores, de modo que as decisões dos primeiros não podem ser anuladas pelos segundos. Esses cortes são:

  • Supremo Tribunal de Justiça ou Supremo Tribunal. É a autoridade máxima em assuntos jurídicos do país. Suas decisões são basicamente finais. Por isso, trata de assuntos de máxima segurança, de interesse nacional ou de funcionamento público. Este tribunal é constituído por um grupo de juízes ou ministros, entre os quais existe um presidente que o dirige. Funciona com base num determinado número de salas especializadas (para tratar de determinados temas) ou na íntegra, com todos os seus membros.
  • Tribunais de apelação ou tribunais federais. Instâncias ou tribunais intermediários, que têm uma hierarquia superior aos tribunais de primeira instância, mas estão sujeitos aos desígnios do Supremo Tribunal Federal. Eles lidam com casos particularmente complicados, geralmente obedecendo a uma distribuição federal (por estados ou províncias). Cada tribunal de recurso tem por sua vez um presidente e um número variável de membros, que podem funcionar em sessão plenária ou através de câmaras especializadas, e de forma ordinária ou extraordinária.
  • Tribunais de primeira instância. O menos autoritário de todos. É onde começam as disputas judiciais e para onde vão os cidadãos que desejam ter a decisão de uma entidade legal em determinado assunto. Em geral, esses juízes de primeira instância têm uma área de competência municipal, com competência para tratar das questões jurídicas mais específicas: família, direito empresarial , direito do trabalho , direito hipotecário, direito financeiro e um enorme etc.

Funções do judiciário

O judiciário é responsável pela administração exclusiva da justiça . Isso significa que nenhuma outra pessoa ou instituição em território nacional pode decidir a favor ou contra qualquer causa ou litígio que exista. Nem mesmo outro poder público pode usurpar suas funções.

Suas ações atendem a todas as áreas do direito e atuam com base em julgamentos . Estas últimas são investigações em que outros órgãos do Estado cooperam para tomar uma decisão específica em um caso que requer a interpretação da lei, ou em que uma das partes violou o que esta estabelece.

Como os membros do judiciário são nomeados?

Os juízes podem ser removidos por juízes de nível superior.

A designação dos membros deste poder depende do regime jurídico . Normalmente, os membros do judiciário são nomeados pelos outros dois poderes (executivo e / ou legislativo).

Isso porque uma eleição pelo voto popular dificultaria a manutenção da imparcialidade de quem exerce a justiça. Da mesma forma, os juízes não estão imunes : eles podem ser destituídos por juízes de escalão superior (até o Supremo Tribunal de Justiça).

Por que o judiciário é importante?

O Judiciário sempre foi considerado o menos perigoso dos três poderes públicos , uma vez que não administra bens públicos. Por outro lado, ele também não tem o dom de comando do executivo.

No entanto, é uma potência indispensável para o funcionamento pacífico das Repúblicas . Só uma instituição de justiça sólida e imparcial, na qual os cidadãos possam acreditar e cujos desígnios acatam, garante a submissão da população à ordem pública.

Se a justiça é parcial ou ineficiente, mais cedo ou mais tarde o sistema político como um todo tende a falhar . Isso porque as pessoas perdem a confiança e apostam em opções menos institucionais para fazer valer seus direitos.

A regra da lei

Se a mesma regra não se aplicasse a todos, o sistema de justiça seria injusto.

O estado de direito é uma característica fundamental das repúblicas democráticas modernas . Implica a igualdade de todos os cidadãos perante a lei, com as mesmas oportunidades de se defenderem e de serem ouvidos pelo judiciário.

Se a mesma regra não se aplica a todos, então há favoritismo e o sistema de justiça é parcial, ou seja, injusto. Para que haja um estado de direito, a aplicação da lei deve ser igual em todos os casos, respeitando todos os direitos e exigindo todos os deveres do caso.

Origem do Judiciário

Nos tempos antigos, conselhos de sábios ou mesmo monarcas distribuíam justiça em nome do estado . Essas decisões sempre estiveram sujeitas à vontade dos poderosos e à sua arbitrariedade, visto que o Rei foi nomeado por Deus para tomar as decisões do Estado.

Com o surgimento dos estados modernos, isso mudou. A separação de poderes exigia a criação de uma instituição legal que exercesse a justiça de forma independente. Dessa forma, não seria influenciado pelos demais poderes do Estado.

A independência do judiciário em relação às questões políticas é essencial para o seu funcionamento. Isso garante que você pode até mesmo julgar um oficial poderoso que cometeu um crime.

O estudo do direito e suas considerações históricas surgiram no século XVII. A partir daí, o campo da justiça passou a ser pensado de forma diferente , dando origem à formação de profissionais. Devido ao seu conhecimento especializado, eles podem garantir o estado de direito tanto para acusados ​​quanto para acusadores.

O poder legislativo

O poder legislativo prepara, discute e promulga leis.

O poder legislativo é outro dos três poderes do Estado. É composto por legisladores do Congresso eleitos publicamente (deputados e senadores).

Sua principal função é a elaboração, discussão e promulgação das leis que regem os diferentes aspectos da vida nacional. Além disso, é responsável pela administração dos orçamentos públicos , pela interpelação e eventual investigação dos demais poderes.

O poder executivo

O Poder Executivo é o “chefe” do Estado , e é mais um dos poderes que o regem. Ele é o encarregado de liderar a República e tomar decisões estratégicas, como o capitão de um navio.

É formado pelas figuras do presidente, vice-presidente, embaixadores e corpo ministerial . São eles os responsáveis ​​pelas relações externas, manutenção e planejamento estratégico dos recursos do Estado.

Leave a Reply