sol

Explicamos tudo sobre o Sol, sua origem, composição e como é sua estrutura. Além disso, quais são suas características e importância.

O Sol fornece a energia essencial para a vida.

O que é o sol?

Chamamos a estrela mais próxima do nosso planeta (149,6 milhões de quilômetros) de sol. Todos os planetas do Sistema Solar orbitam ao seu redor , atraídos pela gravidade , assim como os cometas e asteróides que os acompanham.

O Sol é uma estrela bastante comum em nossa galáxia, ou seja, não se destaca por ser muito maior ou muito menor que as outras.

É uma estrela anã amarela do tipo G2 , que passa por sua seqüência principal de vida. Ele está localizado na região externa da Via Láctea , em um de seus braços espirais, a cerca de 26.000 anos-luz de seu centro.

Seu tamanho é tal que representa 99% da massa do sistema solar , o que equivale a 743 vezes a massa total de cada um de seus planetas combinados (cerca de 330.000 vezes a massa da Terra).

Por outro lado, o Sol tem um diâmetro de 1,4 milhão de quilômetros , o que o torna o maior e mais brilhante objeto do céu da Terra, a ponto de se distinguir pela presença entre o dia e a noite.

Graças à sua emissão constante de radiação eletromagnética (inclusive luz perceptível) nosso planeta recebe calor e iluminação , possibilitando o desenvolvimento da vida .

Veja também: Camadas da Terra

Como o Sol se originou?

O Sol foi formado, como todas as estrelas , a partir de gás e outros materiais que faziam parte de uma grande nuvem molecular.

Essa nuvem entrou em colapso por suas próprias forças gravitacionais há 4,6 bilhões de anos. Dessa mesma nuvem vem todo o Sistema Solar.

Eventualmente, a massa gasosa se tornou tão densa que desencadeou reações nucleares que “acenderam” o núcleo da estrela . Este é o processo mais comum de formação dessas estrelas celestes.

Como o Sol é composto?

À medida que o hidrogênio do Sol é consumido, ele é convertido em hélio.

O Sol é uma imensa bola de plasma , quase totalmente redonda, composta principalmente de hidrogênio (74,9%) e hélio (23,8%). Além disso, ele contém uma porção comparativamente pequena (2%) de elementos como oxigênio , carbono , néon e ferro .

O hidrogênio é o material combustível do Sol e, à medida que é consumido, se transforma em hélio, deixando uma camada de “cinza de hélio”. Essa camada aumentará à medida que a estrela terminar seu ciclo de vida principal.

Estrutura do Sol

O núcleo ocupa um quinto da estrutura do Sol. 

O Sol é esférico , com um ligeiro achatamento nos pólos devido ao seu movimento rotacional.

Seu equilíbrio físico (hidrostático) se deve ao cancelamento interno da gigantesca força da gravidade que sua massa lhe confere, e ao impulso da explosão interna. Essa explosão é produzida pelas reações nucleares de fusão massiva do hidrogênio.

O Sol está estruturado em camadas, como uma cebola. Essas camadas são:

  • Núcleo. A região mais interna. Ocupa um quinto da estrela, cerca de 139.000 km de seu raio total. É onde ocorre a gigantesca explosão atômica que é o Sol. A gravidade no núcleo é tal que leva um milhão de anos para que a energia assim produzida suba à superfície.
  • Área radiante. É composto de plasma (hélio e gás hidrogênio ionizado). É a região que permite fácil irradiação da energia interna do Sol para o exterior, reduzindo consideravelmente a temperatura nesta área.
  • Zona convectiva. Nessa região os gases não são mais ionizados, dificultando o escape de energia (fótons) para fora, tendo que fazê-lo por convecção calórica. Isso significa que o fluido se aquece de forma desigual, causando expansões, perdas de densidade e correntes ascendentes e descendentes, como uma maré.
  • Fotosfera. É a área onde é emitida a luz visível do Sol. É percebida como grânulos brilhantes em uma superfície mais escura, apesar de ser uma camada transparente com cerca de 100 a 200 km de profundidade, considerada a superfície do Sol. Manchas solares, devido às substâncias produzidas na própria estrela.
  • Cromosfera. Uma camada externa da própria fotosfera, muito mais translúcida e difícil de ver, pois é opaca pelo brilho da camada anterior. Seu tamanho é de cerca de 10.000 km e durante um eclipse pode ser visto como uma tonalidade avermelhada externa.
  • Corona solar. Essas são as camadas mais finas da atmosfera solar externa, nas quais a temperatura aumenta consideravelmente em comparação com as camadas mais internas. É um mistério ainda não resolvido da natureza solar. Nele existem baixas densidades de matéria e intensos campos magnéticos , sulcados por energia e matéria em velocidades muito altas. Além disso, é a fonte de numerosos raios-X.

Temperatura do sol

A temperatura do Sol varia de acordo com a região , sendo extremamente alta em todas.

Em seu núcleo, temperaturas próximas a 1,36 x 10 6 graus Kelvin (cerca de 15 milhões de graus Celsius) podem ser registradas, enquanto na superfície cai para cerca de 5778 K (cerca de 5505 ° C), para subir novamente na corona a 1 ou 2 x 10 5 graus Kelvin.

Luz solar

A luz solar é atenuada pela atmosfera do planeta. 

O Sol emite enormes quantidades de radiação eletromagnética , algumas das quais podem ser vistas como luz solar. A quantidade de energia dessa luz oscila em torno de 1368 W / m 2 , a uma distância de uma unidade astronômica (UA), ou seja, a distância da Terra ao Sol.

Essa quantidade de energia é atenuada pela atmosfera do planeta , permitindo a passagem de cerca de 1000 W / m 2 em um meio-dia brilhante. A luz solar é composta por 50% de luz infravermelha, 40% de espectro visível e 10% de luz ultravioleta.

Vento solar

O vento solar cria um campo magnético que cobre todo o Sistema Solar.

Um fluxo de partículas carregadas liberado pela coroa do Sol é chamado de vento solar . É feito de elétrons, prótons e partículas alfa. Ele oscila em densidade, temperatura e velocidade dependendo da região da estrela.

Essas partículas têm tanta energia que podem escapar da gravidade da estrela , criando assim a heliosfera: uma bolha magnética que se estende por todo o Sistema Solar até Plutão .

Erupções solares

Uma erupção solar ou erupção solar é uma variação repentina e intensa da superfície do Sol , devido a uma explosão de seus gases quentes.

Essas explosões ocorrem em suas regiões mais ativas , liberando grandes quantidades de radiação magnética, partículas e outras formas de massa, em frequências e intensidades diversas. Eles podem ocorrer várias vezes ao dia ou ao longo de uma semana. Eles geram grandes quantidades de raios X e raios gama.

Por que o Sol é importante?

O calor do Sol permite que a água permaneça no estado líquido. 

O Sol é insubstituível para nós . Sua luz permite a fotossíntese das plantas, sem a qual a vida como a conhecemos seria impossível, já que o oxigênio se esgotaria após a morte de todas as plantas .

Por outro lado, seu calor mantém o clima estável , permite que a água permaneça no estado líquido e dá energia a muitos dos ciclos climáticos necessários.

Além disso, a gravidade do Sol é o que mantém os planetas orbitando ao seu redor, de modo que sem ela não haveria dia e noite , nem estações. Sem esses fenômenos, a Terra seria um planeta frio e morto, ou talvez nem mesmo tivesse se formado.

Na cultura essa importância se reflete: o Sol ocupa o lugar central, do deus pai fecundador , em praticamente todas as mitologias conhecidas. Todos os grandes deuses, reis ou messias foram de uma forma ou de outra associados ao seu esplendor.

Missões espaciais

Em um esforço para entendê-lo melhor, os humanos lançaram várias sondas espaciais, como as missões americanas Pioneer 5 a 9 (e Pioneer E), que foram estabelecidas na órbita do planeta Terra para observar o Sol de lá.

Além disso, as sondas German-American Helios A e B foram enviadas . No entanto, o primeiro a sobrevoar o Sol o fez em 1990, e foram as sondas Ulysses americanas.

Quando ocorrerá sua morte?

Em 5.000 a 6.000 milhões de anos, o Sol se transformará em uma gigante vermelha.

O Sol vive na meia-idade e não varia muito há quase quatro bilhões de anos . No entanto, já se sabe que o Sol vai morrer.

Isso ocorrerá em várias etapas, sendo a primeira o esgotamento do hidrogênio em seu núcleo . Isso mudará a natureza das reações de fusão nuclear dentro dele.

Como consequência, dentro de 5.000 a 6.000 milhões de anos , ele se tornará, após um longo processo, uma gigante vermelha. Provavelmente envolverá as órbitas de Mercúrio , Vênus e possivelmente da Terra.

Depois de expelir suas camadas externas para o espaço, o núcleo do Sol permanecerá transformado em uma anã branca , muito menor em dimensões. Gradualmente, ele vai esfriar até desligar.

Leave a Reply