Teologia

Explicamos o que é teologia, como se originou e os ramos em que se divide. Além disso, quais são suas características gerais e importância.

A teologia estuda como concebemos Deus, mantendo uma perspectiva filosófica.

O que é teologia?

Teologia é a disciplina que estuda como concebemos Deus : as características que lhe são atribuídas, a história de sua veneração e outros aspectos religiosos especulativos e apologéticos. Mantém uma perspectiva filosófica sobre o assunto, por isso se diferencia da doutrina religiosa ou da literatura religiosa.

Em outras palavras, trata-se do estudo de Deus proposto por uma tradição religiosa específica , geralmente a cristã . No entanto, o conceito também pode ser aplicado a outras tradições místicas e religiosas, como o Islã e o Judaísmo .

De um modo geral, a teologia está interessada em temas centrais no culto religioso e em seu pensamento filosófico básico, como humanidade, salvação, o mundo e escatologia (o fim de todas as coisas). É um campo de estudo difícil de definir em abstrato, já que suas origens remontam à tradição grega antiga e seus métodos à tradição cristã medieval .

Veja também: Obscurantismo

Etimologia

O termo teologia vem do latim theologia , que por sua vez compõe duas palavras gregas diferentes: por um lado, a palavra theos (“deus”, “divino”) e por outro logos (“palavra”, “conhecimento”) .

Pode-se então dizer que o termo significa “o conhecimento de Deus” ou “o conhecimento do divino”.

Origem da teologia

O primeiro uso da palavra teologia é atribuído a Platão.

A palavra teologia foi usada pela primeira vez na Grécia Antiga , cuja religião politeísta andava de mãos dadas com um pensamento filosófico dos mais importantes dos séculos IV e V aC. C.

A  República (379 aC) é atribuída pela primeira vez a Platão em seu texto , que a define como a compreensão dos assuntos divinos por meio da razão humana.

Esse sentido foi herdado pelos romanos . Para eles, a teologia foi assimilada ao método de proclamar os deuses, adorá-los, confessar diante deles e espalhar sua palavra.

O cristianismo vindouro, por sua vez, herdou esse significado formal, tornando-se o equivalente medieval de uma ciência : um método consistente para explicar a fé. Este critério prevaleceu durante a Idade Média, dando origem à teologia cristã, a maior de todas as suas variantes.

Conceito de teologia

O primeiro conceito de teologia existente foi o de Platão, que o definiu como a abordagem do fato divino por meio das ferramentas da filosofia , ou seja, as ferramentas da razão, em vez das artes poéticas de seus contemporâneos. Para o contexto da época, o teológico seria equivalente ao mitológico .

O cristianismo dominou o pensamento na  Europa durante a Idade Média , com noções herdadas das tradições judaicas e greco-romanas. Ele definiu teologia como o estudo formal das razões para defender e promulgar a doutrina cristã contra outras religiões condenadas como falsas ou infiéis.

Isso foi expresso pelos primeiros pensadores cristãos, como Orígenes Adamantius (século I-II), para quem a teologia era “a verdadeira doutrina sobre Deus e sobre Jesus Cristo como Salvador” . Esse espírito deu origem ao catolicismo e sua teologia particular, que privilegiou a fé sobre a razão.

Nesse contexto, Anselmo de Canterbury (século X-XI) formulou assim: “A fé busca compreender . Ao contrário, nos últimos tempos prefere-se defini-la como a “ciência da fé”.

Ramos da teologia

A teologia prática concentra seus estudos nos aspectos aplicáveis ​​da religião.

A teologia tradicional, herdada do Cristianismo, reconhece cinco ramos diferentes:

  • Teologia Bíblica. O estudo dos textos recolhidos na Bíblia , atentando para as suas relações históricas, as suas versões e a própria história da composição deste livro sagrado.
  • Teologia sistemática. O estudo dos conceitos doutrinários da religião, bem como sua relação com a Bíblia e outros textos importantes.
  • Teologia prática. Ele concentra seu estudo nos aspectos “aplicáveis” da religião, suas ferramentas sociais, os métodos de evangelismo e assim por diante.
  • Teologia histórica. Estudar a trajetória doutrinal da Igreja , através de uma perspectiva sincrônica (por épocas) que nos permite compreender a maneira como ela se desenvolveu até os dias atuais.
  • Teologia filosófica. Centra seu estudo nos preceitos metafísicos ou fundamentais da doutrina religiosa, ou seja, a interpretação de seus conceitos fundamentais.

Tradições teológicas

A teologia egípcia estuda a religião politeísta do Egito Antigo.

A teologia é inseparável da cultura que lhe dá origem. Nesse sentido, existem as seguintes tradições teológicas:

  • Teologia Abraâmica. O que se aplica às religiões abraâmicas, ou seja, aquelas que partem dos ensinamentos do profeta Abraão. Eles são subdivididos em:
    • Desculpas cristãs. A defesa do Cristianismo de argumentos racionais e raciocínio lógico concreto.
    • Teologia católica. O estudo de textos sagrados cristãos preservando a ortodoxia do pensamento católico, herdeiro da Europa medieval.
    • Teologia protestante. Também chamada de teologia liberal, estuda os textos sagrados cristãos desde a renovação e liberalização liderada por Martinho Lutero no que foi chamado de Reforma Protestante (século 16).
    • Teologia Ortodoxa. Longe do catolicismo e do protestantismo, essa forma de estudo religioso segue os ensinamentos da Igreja Ortodoxa.
    • Teologia islâmica. O Kalam é conhecido como o estudo de textos islâmicos por meio da dialética.
    • Estudos judaicos. Uma das principais doutrinas de estudo de textos judaicos como a Torá ou o Talmud e que muitas vezes contribui para a formação de rabinos judeus.
  • Teologias politeístas. É o que se aplica às religiões fora das três grandes doutrinas monoteístas (Cristianismo, Judaísmo e Islamismo). Em muitos casos, eles podem ser ressuscitados na forma de “paganismo racional”. Podemos l>
  • Mitologia greco-romana. Estude os mitos fundadores e textos místicos ou histórias mitológicas que vêm da Grécia Antiga e foram posteriormente adaptados pelos Romanos.
  • Teologia egípcia. Ele se concentra na religião do Antigo Egito , um dos mais importantes pólos civilizadores do Mediterrâneo desde a antiguidade remota.
  • Teologia nórdica. Ele investiga a coleção de histórias e escritos místicos dos povos germânicos do norte da Europa, entre aqueles que compartilhavam deuses e um panteão de divindades guerreiras.

Abordagens para a teologia

A teologia dogmática aborda a questão teológica de um ponto de vista didático.

Existem dois focos principais na teologia cristã:

  • Teologia Bíblica. Ele se concentra no caráter histórico dos textos sagrados, entendendo a Bíblia e outros escritos posteriores como peças de um discurso composto ao longo do tempo . Vários autores abordam diferentes dilemas teológicos, o que equivale mais ou menos a uma perspectiva letrada sobre os textos divinos.
  • Teologia dogmática. Aborda a questão teológica de um ponto de vista didático, analisando o que cada teólogo foi capaz de entender sobre a doutrina religiosa e em que preceitos baseou sua fé, crenças, etc. Se a primeira é uma teologia letrada, esta é uma teologia pedagógica, sobre o ensino da doutrina.

Importância da teologia

A teologia tem sido uma disciplina central na evolução cultural.

A teologia é muito mais do que um mero estudo de crenças e questões esotéricas , sobrenaturais ou místicas. Envolve entre seus interesses um conjunto de conceitos filosóficos, culturais e sociais, relacionados a disciplinas como antropologia , historiografia, cosmologia, etc.

Desde a antiguidade tem sido uma disciplina central na evolução cultural e na vida intelectual das nações, tendo em alguns momentos históricos até um valor profético.

Teologia da Libertação

É o nome dado a uma corrente que agrupa vários aspectos católicos e protestantes do cristianismo , surgida após a Conferência de Medellín (Colômbia) em 1968. Seu objetivo é cuidar dos pobres, valendo-se das ciências humanas e sociais para encontrar um maneira de ajudá-los a superar suas dificuldades.

Em outras palavras, é uma vertente cristã que, longe de oferecer a recompensa do paraíso terrestre e incitar os pobres a se conformar, usa os recursos da fé e de outras perspectivas sociais e históricas para ajudar os desfavorecidos a pensarem seu próprio caminho.

Os primeiros pensadores cristãos da teologia da libertação foram o educador e ex-pastor presbiteriano do Brasil Rubem Alves , e o padre católico do Peru Gustavo Gutiérrez Merino.

Carreira de teologia

A teologia usa a fé como instrumento para guiar o espírito dos tempos.

A carreira de teologia é comum a várias universidades ou institutos de ensino superior de raízes religiosas, especialmente católicas. Busca a aplicação da visão filosófica cristã a outras disciplinas e campos do conhecimento, tendo a fé como instrumento de orientação do espírito da época.

Os teólogos são basicamente estudiosos e pesquisadores. Partem do dogma cristão para abordar outras disciplinas e contribuir filosoficamente, literariamente ou bibliograficamente.

Além disso, podem ser importantes atores sociais, especialmente teólogos da libertação , pois podem colocar seus saberes religiosos e filosóficos a serviço da transmissão de uma mensagem de paz, justiça ou transformação.

Leave a Reply